Artigos

A cegueira no Natal

0

Por Valter Luis de Oliveira Moraes *

Que Natal?
Esse deboche com a miséria provocada por quem comemora com suas mesas fartas e seus vinhos caros, como se todos os seres estivessem presenteados com a divisão de bens proporcionalmente à sua necessidade orgânica e psíquica?

É Natal e é cega a fome, as necessidades humanas primordiais negadas para uma vida digna; é escassa a humanidade; é grande a mediocridade da riqueza escravista insensível; é desproporcional a vida periférica despejada nos escombros sem luz, úmida, fria.

É Natal e é cega a hipocrisia da solidariedade esporádica da burguesia e das religiões capitalistas mantenedoras do ilusionismo estelar, onde a luminosidade do sol caminha iluminando a realidade cruel da humanidade invisível.

É sempre Natal dos trenós voando no gelo e papais noéis na noite mágica estrelada longe da realidade de dias e dias sem natais, esperanças, alegrias, iludidos excluídos da riqueza e marginalizados, coloridos pela ganância do medievalismo.

É Natal do assistencialismo momentâneo dos reacionários oportunistas locupletadores de si mesmo, financiadores da miséria alheia, predadores e defensores do status quo para manutenção das suas aparências quixotescas, inquilinos das cavernas palacianas.

Feliz Natal!?
Ho!… Ho!… Ho!…

* Filósofo e diretor da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe

Compartilhe no WhatsApp

Em Ilhéus, eventos de massa devem ser comunicados uma semana antes

Previous article

Prefeituras do Extremo Sul recebem equipamentos do governo

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.