Artigos

Itabuna

0

Por Valter Luis de Oliveira Moraes*

Minha bela e sofrida Itabuna, dos famosos cacauais, dos pássaros que cantam à beira das suas florestas, dos índios que não existem mais.

Itabuna é a pedra preta dos grapiúnas, do rio cachoeira belo e sorridente, onde gritam às vozes solidárias da beleza imponente, nas terras dos frutos de ouro escravizantes, presentes no mundo das mesas fartas e ausentes na miséria dos trabalhadores.

É a terra chorando suas dores de pobreza, sangue e suor, dos contos de fadas sem certeza do que vai acontecer, chama S. José para chover, molhar às terras sem letras dos coronéis, chove chuva para ver, a miséria que ninguém vê.

Terra fértil, fruto rico, povo pobre sem saber, sem cultura e abc, numa luta desigual, tiro, morte, vidas seca, cascavel, cobra coral, tem também urubu e a carniça social.

* Filósofo e diretor da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe

Compartilhe no WhatsApp

Mais de 200 entidades em defesa das eleições e contra a violência

Previous article

Vendas em lojas físicas sobem 22% no primeiro semestre

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.