DestaquesPolítica

Como o Senado aprovou Aras na PGR, mesmo omisso nos atos do presidente

0

Depois de aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o procurador-geral da República Augusto Aras teve aprovação do Senado, nesta terça (24), e foi reconduzido ao cargo. Foram 55 votos a favor, 10 contra e uma abstenção.

Nas sabatinas, o magistrado buscou convencer os senadores de que foi imparcial, mesmo estando claros vários crimes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro, e que reprovou a atitude de pessoas que deixam de utilizar máscara para prevenir à covid-19,

Mas, as contradições do procurador começaram quando foi indagado pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES) sobre nunca ter se manifestado contra os atos do presidente, que constantemente dispensa a utilização de máscara.

O procurador tentou “arranjar” um argumento para a conduta de quem não utiliza máscara e causa aglomeração, que pode configurar crime de epidemia, previsto no Código Penal e prisão. Aras respondeu que “a não utilização das máscaras é um ilícito”, mas que não deve ser penalizado com prisão, mas com multa. Ele comparou a maior autoridade do país ao povo. “Brasileiros têm negligenciado o uso da máscara, mas é preciso ter alguma cautela na criminalização do uso da máscara”, ponderou.

RESUMO DA ÓPERA – Augusto Aras fez o discurso para ser aprovado. Ele criticou os absurdos da Lava Jato; negou alinhamento com Bolsonaro; se colocou contra o voto impresso e contra os ataques ao STF; demonstrou apoio à CPI da Covid e defendeu o uso de máscaras. E a maioria dos senadores aceitou, mesmo com o seu comportamento omisso nos momentos graves de ataques à democracia e desastre no combate à pandemia pelo presidente. É esperar para ver qual será o seu comportamento no próximo mandato à frente da PGR.

Com informações do Correio Braziliense

Compartilhe no WhatsApp

Presidente aciona STF contra lei que beneficia profissional de saúde afetado por Covid

Previous article

Prefeitura requalifica acesso aos condomínios Jubiabá e Gabriela

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.