DestaquesPolítica

Sem citar Bolsonaro, presidente do STF manda recado firme

0

Em nenhum momento do seu discurso, na reabertura dos trabalhos do Judiciário, nesta segunda (2), o presidente do STF, ministro Luiz Fux não citou o nome de pessoas, especificamente o de Jair Bolsonaro. Entretanto, um olhar atento aos principais trechos mostra que foi um recado firme às barbaridades que o presidente da República vem dizendo no período recente.

Fux afirmou que “independência entre Poderes não significa impunidade para atos contra as instituições”. É só lembrar que, recentemente, Bolsnaro tem feito ataques ao TSE e ao seu presidente, ministro Luiz Roberto Barroso. Mesmo atacando o sistema eleitoral que Barroso defende, o presidente da República admite que não tem provas de fraudes.

O magistrado destacou que, acima de quem está à frente dos poderes, tem o poder popular e a lei, ao dizer que a população não aceita que crises sejam resolvidas de formas contrárias ao que determina a Constituição. “O povo brasileiro jamais aceitaria que qualquer crise, por mais severa, fosse solucionada mediante mecanismos fora da Constituição”, afirmou.

Aumentando o tom, Fux ressaltou que, “em uma democracia, nos momentos de crise, é preciso “fortalecer – e não deslegitimar – a confiança da sociedade nas instituições”. E, sutilmente, chamou de mentiroso quem faz ataques de “inverdades à honra dos cidadãos que se dedicam à causa pública” e acabam por deslegitimar “veladamente as instituições do país”.

DEMOCRACIA E CONSTITUIÇÃO

O presidente do Supremo aponta que essas atitudes “corroem sorrateiramente os valores democráticos consolidados ao longo de séculos pelo suor e pelo sangue dos brasileiros que viveram em prol da construção da democracia de nosso país”. E emendou ressaltando o papel do STF em manter a defesa da Constituição e garantir a estabilidade institucional do país.

Fux deixou claro que os juízes precisam vislumbrar o momento adequado para erguer a voz diante de eventuais ameaças. E deu uma oportunidade para outro clima: “Nunca é tarde para o diálogo e para a razão. Sempre há tempo para o aprendizado mútuo, para o debate público compromissado com o desenvolvimento do país, e para a cooperação entre os cidadãos bem-intencionados”.

RESUMO DA ÓPERA – Mesmo com certo atraso, um poder importante como o Judiciário reage aos ataques e ameaças de um presidente que foi eleito democraticamente, inclusive em eleições para deputado. E, mesmo assim, insiste em atacar a democracia e as instituições. Nesse jogo do xadrez político, é ver como o outro jogador vai movimentar suas peças. E se a fala do ministro Luiz Fux representará uma nova fase do STF quando for acionado para tratar das ameaças feitas pelo presidente Jair Bolsonaro.

Com informações do G1

Compartilhe no WhatsApp

Estudantes podem se inscrever no Sisu a partir dessa terça (3)

Previous article

Pode azedar para secretário de saúde; oposicionistas cobram posição de Rui

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.