DestaquesGeral

“Presente de grego”: 450 mil mortos, mas vacinação final só no Natal 2022

0

Com a situação dramática da pandemia e a lentidão da imunização, fizeram matemáticos projetaram o final da vacinação contra a Covid-19, no Brasil, para o Natal de 2022. Isso é o que se pode chamar de um “presente de grego” para os brasileiros, após o País passar dos 450 mil mortos.

A plataforma que faz o cálculo foi criada por um consórcio de universidades brasileiras e considera dados do governo até a segunda quinzena de maio. Com isso, avaliaram o ritmo da vacinação em cada cidade, projetando a imunização final de toda a população.

Segundo especialistas, os problemas são: a imunidade coletiva só é obtida com a velocidade da interrupção da circulação do vírus; a lentidão na imunização favorece o surgimento de novas cepas do coronavírus, o que ameaça a imunidade dos vacinados e a eficácia das vacinas; o cansaço da população com medidas de distanciamento social, favorecendo maior circulação do vírus.

De acordo com Tiago Pereira da Silva, professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação de São Carlos (ICMC) da USP e pesquisador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), a proposta do projeto foi aumentar a transparência dos dados governamentais e dar acesso à informação, de forma que a plataforma seja uma ferramenta que auxilie munícipios, mesmo os de menor porte, no planejamento da campanha de vacinação.

Esse projeto de modelo estatístico foi desenvolvido por pesquisadores do consórcio de universidades ModCovid19: USP, que lidera; ICMC, pelo Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica da Universidade de Campinas (Unicamp), pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada do Rio de Janeiro (IMPA), pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-Rio). O Laboratório de Estatística e Ciência dos Dados da UFAL desenvolveu a plataforma, a estrutura foi do CeMEAI e o apoio, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI).

A Redação, com informações do Jornal da USP

Compartilhe no WhatsApp

Na sala de espera, hospital infantil de Ilhéus vive o dilema público X privado

Previous article

Xuxa, Felipe Neto e Casagrande assinam pedido de impeachment de Bolsonaro

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.