DestaquesMovimentosPolítica

Péssima encomenda o governo privatizar os Correios; 52% do povo é contra

0

Aquela encomenda e correspondências importantes que chegam a lugares distantes e difíceis podem ficar ainda mais complicadas. O ministro Paulo Guedes e o presidente Bolsonaro querem aprovar na Câmara dos Deputados, ainda esse mês, que o governo se desfaça de 100% do capital dos Correios.

O anúncio foi do secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, ao jornal O Globo.
Segundo ele, é diferente dos planos para a Eletrobras e do que foi feito na BR Distribuidora, ex-subsidiária da Petrobras, baseados em operações no mercado de capitais.

A venda dos Correios também deve gerar mudanças na regulação do setor postal, que passaria a se tornar uma atribuição da Anatel com outro nome.

POPULAÇÃO E ENTIDADES CONTRA

O governo que diz ser preocupado com os brasileiros e estar ao lado do povo, desconsidera uma pesquisa do PoderData, realizada em março desse ano. O estudo revela que 52% da população brasileira são contra a privatização dos Correios. Cerca de 29% disseram ser a favor e outros 19% não souberam ou não responderam a pergunta.

Quem também se coloca contra são as entidades que representam os trabalhadores, como a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos (FENTECT). “Os Correios prestam um serviço essencial ao povo brasileiro, estratégico para o país, principalmente nesse momento de pandemia. “É importante em outras áreas como a entrega de livros didáticos, urnas eletrônicas nas épocas de eleições e as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em todo o país”, afirma o secretário-geral, José Rivaldo

O dirigente denuncia que a direção militar dos Correios e as empresas interessadas planejam uberizar o trabalho no setor postal. “Significa tornar todos os trabalhadores dos Correios e de logística em entregadores por aplicativos, sem registro em carteira, sem direitos, sem um salário decente. Realidade que já é dominante entre os motoboys e ciclistas, trabalho que resta hoje à maioria dos jovens pobres e periféricos”, pontua.

Com informações da CUT e O Globo

Compartilhe no WhatsApp

Aquele abraço, Gil, Doutor Honoris Causa em universidade euroamericana

Previous article

“Acho que está em 110%”, ironiza Bolsonaro sobre pesquisa em que Lula lidera com 41,3%

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.