A RegiãoDestaques

Limpando a área, empresa de cosméticos rebate denúncia de irregularidades

0

Depois da denúncia, feita no dia 25, a fábrica de cosméticos interditada pela vigilância sanitária de Porto Seguro, em Caraíva, (LEIA AQUI), declarou que os produtos apreendidos “não necessitam de registro na Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]”.

Em nota, a Gahyia disse que todos os itens fabricados foram desenvolvidos por uma profissional de farmácia com graduação na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com “vasta experiência” e que as plantas usadas na preparação não são tóxicas, e sim “seguras e eficientes”.

A empresa refutou que os artefatos não teriam informações nos rótulos, e declarou que tem como missão auxiliar na sustentabilidade do planeta, desde que foi criada em 2009.

“A Gahyia é uma empresa com missão voltada para a sustentabilidade do planeta. A empresa classifica seus cosméticos como naturais, utilizando ativos provenientes de plantas brasileiras como a resina de Almescar, árvore nativa da Amazônia e sul da Bahia. A empresa mantém plantio próprio das plantas utilizadas, fabricação artesanal, laboratório aberto para visitações, oferece cursos para a comunidade, gera empregos na cidade de Caraíva e ainda possui loja própria com um espaço de massagem e bem-estar”, diz a nota.

Com informações do Bahia Notícias

Compartilhe no WhatsApp

Brasileiros compram menos gastando mais com inflação alta

Previous article

Professores da rede estadual decidem entrar em estado de greve

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.