DestaquesMovimentos

Indígenas baianos estão em Brasília contra medida que muda demarcações

0

O Supremo Tribunal Federal adiou o julgamento sobre validar ou não o marco temporal acerca da demarcação de terras indígenas. Lideranças do segmento estão em Brasília para acompanhar a votação. São seis mil indígenas de 173 povos. Da Bahia, cerca de mil indígenas da reforçam o acampamento na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, segundo o coordenador do movimento Unido dos povos e organizações indígenas da Bahia (Mupoiba), Agnaldo Pataxó Hã Hã Hãe.

“O marco temporal é uma medida que vai retirar direitos de nossos povos. Em junho fizemos acampamento, estamos fazendo agora e vamos permanecer o ano todo até termos a certeza de que não vão tirar nossos direitos da Constituição”, diz o líder indígena.

Para Agnaldo, derrubar o marco temporal é importante para dificultar a votação no plenário do Congresso. “O Supremo considerando que é inconstitucional facilita a nossa defesa contra o PL 490”, diz. As lideranças indígenas defendem que a aprovação de um marco temporal vai inviabilizar a demarcação de mais de 700 terras.

Um exemplo é a terra Tupinambá de Olivença, abrangendo as cidades de Una, Ilhéus e Buerarema, que está delimitada pelo órgão, mas não foi regularizada. Lideranças defendem que são mais de 100 terras que ainda não foram
demarcadas.

Com informações do Metro1

Compartilhe no WhatsApp

O que esperar de Bolsonaro com rejeição de impeachment contra ministro do STF?

Previous article

Projeto aprovado na Assembleia Legislativa amplia educação integral na Bahia

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.