DestaquesGeral

Bancos lucram, reduzem custos e tornam-se setor mais processado na Justiça do Trabalho

0

Um setor que sempre vai bem nas crises é o financeiro. Enquanto o setor produtivo vive dificuldades, os bancos sempre celebraram lucros crescentes. E a pandemia fez as instituições financeiras ampliarem suas margens com cortes de custos e se digitalizando. O resultado mais cruel é a demissão de milhares de bancários.

Com isso, o setor está sempre na Justiça do Trabalho. Um levantamento para o Monitor do Mercado, feito pela DataLawyer, parceira da revista Consultor Jurídico (ConJur), mostra que os bancos se tornaram os principais alvos de ações trabalhistas durante a pandemia.

Antes da crise sanitária, o setor mais processado é o da construção civil, com 60,7 mil ações. Agora, a lista passou a ser encabeçada pelas instituições financeiras. São 45,5 mil processos trabalhistas entre junho de 2020 e junho de 2021.

“A pandemia acelerou a transformação digital no mercado financeiro. As pessoas deixaram ainda mais de ir às agências e de utilizar certos serviços, o que mudou o perfil das atividades das instituições financeiras e certamente impactou nesse fenômeno”, diz Alexandre Zavaglia, diretor da Finted Tech School.

FECHANDO E LUCRANDO

Segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), no início da pandemia, os cinco maiores bancos do país extinguiram 12,7 mil postos de trabalho. Itaú, Bradesco, Santander e Caixa, juntos, fecharam 1.376 agências físicas em 2020.

Parece que o setor fecha para lucrar. Balanços do segundo trimestre de 2021 mostram isso: Itaú Unibanco lucrou R$ 7,5 bilhões, Bradesco ficou em R$ 6,319 bilhões e Banco do Brasil com R$ 5,5 bilhões.

Com informações da Conjur

Compartilhe no WhatsApp

PGR defende Bolsonaro duvidando da “exata eficácia” do uso de máscaras

Previous article

Ilhéus faz reunião para preparar PPA da Saúde

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.