DestaquesPolítica

Lá vem o golpe, aponta ministro Lewandowski sobre semipresidencialismo

0

Em artigo na Folha de S. Paulo deste domingo (18), o ministro do STF, Ricardo Lewandowski, alerta para o que ele considera um novo golpe: o semipresidencialismo, uma nova versão do parlamentarismo, que já foi rejeitado pelos brasileiros em plebiscito. “A adoção do semipresidencialismo poderia reeditar o passado que muitos prefeririam esquecer. É preciso cuidar para que a história não seja reencenada como pantomima”, diz Lewandowski, que relembra o parlamentarismo imposto a João Goulart, em 1961.

O magistrado resgatou outro fato histórico ainda mais antigo. “Um conhecido filósofo alemão, ao escrever sobre o golpe de Estado que levou Napoleão 3º ao poder na França em 1851, concluiu que todos os fatos e personagens de grande importância na história se repetem, ‘a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa’”, escreve o ministro, fazendo referência a Karl Marx.

Em outro ponto, Lewandowski critica posição de colegas do STF. “Aqui, a proposta de adoção do semipresidencialismo, ligeira variante do parlamentarismo, que volta a circular às vésperas das eleições de 2022, caso venha a prosperar, possivelmente reeditará um passado que muitos prefeririam esquecer”, critica a proposta que é defendida pelos ministros Gilmar Mendes e Luis Roberto Barroso.

O ministro destaca o atual modelo presidencialista tem mais de 130 anos vigendo. “Com a Proclamação da República em 1889, à semelhança da grande maioria dos países americanos, o Brasil adotou o presidencialismo, o qual perdurou, com altos e baixos, até a renúncia de Jânio Quadros em 25 agosto de 1961, cujo sucessor constitucional era o seu vice-presidente, João Goulart, à época em viagem oficial à China. Diante das resistências à sua posse por parte de setores conservadores da sociedade, que o vinculavam ao sindicalismo e a movimentos de esquerda, instalou-se um impasse institucional. Para superá-lo, o Congresso Nacional aprovou, em 2 de setembro do mesmo ano, uma emenda constitucional instituindo o parlamentarismo. Com isso, permitiu a posse de Goulart, embora destituído de grande parte dos poderes presidenciais, que passaram a ser exercidos por um gabinete de ministros chefiado pelo ex-deputado Tancredo Neves”, lembrou.

Ao final, Lewandowski chama atenção para a coincidência da proposta surgir no momento em que Lula lidera todas as pesquisas e venceria as eleições, se fossem hoje. “Agora ressurgem, aqui e acolá, iniciativas para a introdução do semipresidencialismo no país, a rigor uma versão híbrida dos dois sistemas, em que o poder é partilhado entre um primeiro-ministro forte e um presidente com funções predominantemente protocolares. Embora atraente a discussão, do ponto de vista doutrinário, é preciso cuidar para que a história não seja reencenada como pantomima”, ironizou.

Compartilhe no WhatsApp

Na reserva é melhor: empresas de ex-militares receberam R$ 610 milhões do governo

Previous article

Na Série B do Baianão, Grapiúna faz semifinal contra Botafogo de Bonfim

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.